Boletim COVID-19 da APPT – 24 DE ABRIL DE 2020

Boletim COVID-19 da APPT – 24 DE ABRIL DE 2020

Novo Coronavírus (SARS-CoV-2) – Perguntas e Respostas

Qual a forma de transmissão do SARS-CoV-2?

A transmissão ocorre de 3 maneiras: gotículas, aerossol e contato.

               Gotículas são secreções respiratórias e saliva eliminadas ao falar, tossir ou espirrar e que podem conter o vírus ao serem expelidas por uma pessoa doente. As gotículas são relativamente grandes e pesadas e por ação da gravidade caem no chão rapidamente.

Os aerossóis são partículas menores, mais leves e que ficam em suspensão no ar, mas são facilmente levadas por qualquer corrente de ar. Estes são eliminados em pequena quantidade ao tossir e espirrar e em grande quantidade ao se fazer nebulização (inalação com soro fisiológico e medicamentos) e em alguns procedimentos médicos em ambiente hospitalar.

A transmissão por contato ocorre quando tocamos as mãos em alguma superfície contaminada por vírus, seja porque alguém tossiu/espirrou e as gotículas se depositaram nela ou porque alguém com a mão contaminada de vírus tocou nessa superfície. Nesse momento nossa mão ficará cheia de vírus, porém não ficaremos doentes, pois na mão o vírus não consegue entrar no nosso organismo. O problema é estar com a mão contaminada e tocarmos o rosto – olhos, nariz ou boca. Nesse momento colocamos o vírus para dentro do nosso sistema respiratório e podemos adoecer. Estima-se que uma pessoa toca o seu rosto pelo menos 20 vezes por hora, sem perceber. Por isso a importância da lavagem frequente das mãos, evitar aperto de mãos e abraços. Já o distanciamento social e evitar aglomerações previnem a transmissão pelas 3 formas.

Preciso trocar de roupas e tomar banho ao chegar em casa do mercado?

Se você estiver fazendo o distanciamento social e saindo eventualmente para o mercado, farmácia ou padaria, isso não é necessário. Mas é importante sempre lavar as mãos com água e sabão ou álcool gel, de forma adequada, isto é, lavar o dorso, entre os dedos, a ponta dos dedos, o polegar, por pelo menos 20 segundos.

Caso alguém ao seu lado espirre ou tussa, a chance de caírem gotículas em sua roupa é maior, aí neste caso vale a pena chegar em casa, tomar banho e lavar a roupa.

Posso ter o vírus na minha barba ou cabelo? Qual o risco de me contaminar?

Sim, o vírus pode ficar nestas superfícies, mas a chance de contágio depende da quantidade de vírus e das suas mãos. Se você mantiver o distanciamento social, diminui muito a chance de alguém eliminar gotículas no seu cabelo. Depois disso você precisaria tocar o cabelo justamente onde tenha vírus em quantidade suficiente e depois tocar o rosto com a mão contaminada. Impossível? Não. Improvável? Sim.

Devo separar as roupas ao lavar? Posso eliminar vírus ao mexer e chacoalhar as roupas?

Segundo o CDC (Centers for Diseases Control and Prevention)[1], para lavagem do dia a dia, não há preocupação. Lave suas roupas como sempre, com água e sabão na quantidade recomendada pelo fabricante. O coronavírus, assim como o vírus da gripe (influenza), é envolto por uma capa de gordura (envelope) que é frágil e vulnerável ao sabão.

Quanto ao mexer nas roupas existe sim o risco de jogar vírus no ar, mas para isso precisaria de muitos vírus para causar preocupação.

A exceção ocorre quando você tem contato próximo com alguém sabidamente doente ou precise limpar o local onde essa pessoa permaneceu. Neste caso, vale a pena usar luvas e máscara, evitar bater/chacoalhar as roupas e lençóis e até usar água quente[1]. Se quiser pode misturar com as roupas não contaminadas e lavá-las juntas. Outra alternativa é deixar a roupa parada por dois dias, pois o vírus irá desidratar e inativar, como explicado a seguir.

Quanto tempo o vírus fica viável em tecidos e outras superfícies?

Um estudo publicado no The New England Journal of Medicine (NEJM) em 16 de abril de 2020[2] mostrou que, em condições ideais, o vírus pode sobreviver até 3 dias em plásticos e aço inoxidável e até 24h em papelão. Outro estudo publicado no The Lancet Microbe em 2 de abril de 2020[3] mostrou que em papel comum e lenços de papel o vírus não foi detectado após 3h; em madeira e tecido (não especificado o tipo de tecido testado) após 2 dias; em vidro e dinheiro após 4 dias; e em aço e plástico após 7 dias. Em um estudo de 2005[4] com outros coronavírus, foram feitos testes em papel e em algodão e demonstrou-se viabilidade viral por 5 minutos, 3 horas e até 24 horas, a depender da quantidade de vírus injetada.

Devo lavar ou higienizar alimentos trazidos do mercado?

Frutas e verduras que forem ingeridas cruas devem ser lavadas com uma solução de hipoclorito de sódio (água sanitária encontrada em mercados, verifique no rótulo a concentração de 2 a 2,5%) na diluição de 4 colheres de chá (equivalentes a 1 colher de sopa) para 1 litro de água, deixando em contato por pelo menos 15 minutos e após este tempo as frutas, verduras e legumes devem ser lavados com água corrente para a remoção do excesso de cloro[7].

⚠️ Os produtos acondicionados em garrafas pet, vidro e latas podem ser lavados com água e sabão. Aquelas acondicionadas em embalagens plásticas, que não podem ser lavadas, devem ser higienizadas borrifando álcool 70% líquido.

Preciso tomar cuidados com comida solicitada por entrega (delivery)?

Sim, para evitar qualquer contaminação, o ideal é aquecer novamente o alimento a 70ºC por 5 minutos[3] [5]. Caso não tenha termômetro, uma maneira prática de se observar se o alimento está na temperatura ideal é reaquecer até ferver (borbulhar), podendo ser feito no forno convencional, no micro-ondas ou até em uma panela.

Devo me preocupar com correspondências, embalagens, jornais e revistas?

O risco é muito baixo e possível somente em teoria. Basta tomar as precauções – lavar as mãos e evitar tocar o rosto. Se ainda assim quiser se garantir, pode deixar tudo separado e sem ninguém tocar por 24 horas.

Qual o risco de contágio ao sair se exercitar ou passear com o cachorro?

O risco é extremamente baixo, desde que seja em ambientes totalmente abertos, se mantenha uma distância segura de outras pessoas, se evite aglomerações e se evite tocar as mãos no rosto sem as ter higienizado. Não há risco de se contrair o vírus somente pelo ar, sem ter alguém doente por perto.

Ao retornar do passeio com o cachorro, recomenda-se lavar as patas com água e sabão antes de entrar em casa, não sendo indicado o uso de álcool ou água sanitária pois podem causar lesões na pele e unha dos animais.

Devo retirar meus calçados ao entrar em casa?

Os calçados podem trazer vírus e bactérias de todo tipo, mas não quer dizer que necessariamente serão fonte de infecção. Mas vale a pena conversar com a família para manter a casa “livre de calçados da rua”, deixando-os na porta de entrada da casa ou do apartamento e usar outro tipo de calçado dentro de casa, especialmente se tiver uma criança que engatinha e brinca no chão ou alguém com alergias ou com imunidade comprometida.

 

Por fim, a APPT reitera a necessidade de não baixar a guarda em relação à dinâmica desta epidemia que possui uma velocidade de mudança de cenário factível e constante. Este alerta é direcionado às populações de maior risco como:

  • Maiores de 60 anos;
  • Profissionais de Saúde;
  • Portadores de doenças crônicas como hipertensão arterial, diabetes, doenças pulmonares – DPOC (bronquite crônica e enfisema pulmonar), asma moderada e grave, doenças fibrosantes pulmonares como FPI (Fibrose Pulmonar Idiopática), esclerose sistêmica associada a doença intersticial pulmonar, fibrose cística.

DÚVIDAS? CONSULTE SEU MÉDICO DE CONFIANÇA OU UM (A) PNEUMOLOGISTA!

Referências Bibliográficas:

  1. CDC, Cleaning and Disinfection for Households. Disponível em: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/prevent-getting-sick/cleaning-disinfection.html (acessado em 23/04/2020)

 

  1. van Doremalen N, Bushmaker T, Morris DH, et al. Aerosol and Surface Stability of SARS-CoV-2 as Compared with SARS-CoV-1. N Engl J Med 2020 org/10.1056/NEJMc2004973

 

  1. Chin AWH, Chu JTS, Perera MRA, et al. Stability of SARS-CoV-2 in different environmental conditions. The Lancet Microbe 2020 org/10.1016/S2666-5247(20)30003-3

 

  1. Lai MYY, Cheng PKC, Lim WWL. Survival of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus. Clinical Infectious Diseases 2005 org/10.1086/433186

 

  1. ANVISA, RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004.

 

  1. HKUMed on COVID-19: Basic Information about the Virus. Disponível em: https://www.med.hku.hk/en/covid-19/articles/basic-information (acessado em 23/04/2020)

 

7. CVS-6/99, de 10.03.99. Disponivel em: http://www.cvs.saude.sp.gov.br/zip/E_PT-CVS-06_100399.pdf Acessado em 24/04/2020.

 

Dr. Irinei Melek

Presidente APPT

 

Assinam este documento:

Dr. Marcos Nascimento

Coordenador do Grupo de Crise sobre a #COVID19 da Associação Paranaense de Pneumologia (APPT)

Twitter/ Insta: @PulmaoSA

 

Dr. Lucas Moreira

Twitter: @lmcarambei

Insta: @lm.lucasmoreira

 

Dr. Helder Vinicius Ribeiro

Insta/ Face: @drhelderpneumo

 

Dr. Sérgio Grava

Twitter/ Insta: @gravamed

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *